Seções

04/06/2012

Benefício do Brasil Carinhoso começa a ser pago dia 18 de junho

"Vamos beneficiar 2 milhões de famílias, tirando-as da extrema pobreza"

  • preview
  • preview

No programa de hoje, a presidenta Dilma Rousseff fala sobre o Brasil Carinhoso, que começa a pagar, a partir do próximo dia 18 de junho um benefício extra no Bolsa Família para garantir uma renda mínima de R$ 70 por cada pessoa das famílias que tenham crianças com até 6 anos de idade. Outra novidade do programa Brasil Carinhoso é que a partir de hoje a rede Aqui Tem Farmácia Popular começa a distribuir gratuitamente, com a apresentação de receita médica, medicamentos para o tratamento da Asma. Nesta semana, além do programa nacional, o Café com a Presidenta tem uma edição especial para o Nordeste e para o Norte de Minas, sobre estiagem que afeta a região.

Transcrição

Edição Nacional

Apresentador: Olá, você, em todo o Brasil, eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um Café com a Presidenta Dilma. Bom dia, presidenta! Tudo bem?

Presidenta: Tudo bem, Luciano. Bom dia também para você, ouvinte, que nos acompanha aqui no Café!

Apresentador: Presidenta, a senhora lançou o Brasil Carinhoso, este plano que beneficia crianças de zero a seis anos. Neste mês de junho, o governo começa a pagar o Bolsa Família com essa alteração, como vai ser isso, presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, nós vamos começar a pagar esse benefício este mês, a partir do dia 18 de junho. Vamos garantir para toda a família brasileira que tenha pelo menos uma criança de zero a seis, uma renda mensal por pessoa da família de, no mínimo, R$ 70,00. Fazendo isso, nós vamos beneficiar 2 milhões de famílias, tirando-as da extrema pobreza. Para você ter uma ideia e isso ficar mais claro, Luciano, uma família com um casal e três filhos que tenha uma criança com menos de seis anos de idade, ela recebia, essa família, até agora R$ 166,00. A partir do dia 18 de junho, essa família pode receber até R$ 350,00, por quê? Porque são três filhos e um casal – cinco pessoas – cinco vezes sete: R$ 350,00. Uma coisa importante, Luciano, é que esse dinheiro vai ser pago no cartão do Bolsa Família sem nenhuma burocracia.

Apresentador: O Brasil Carinhoso também está ampliando a distribuição de medicamentos, não é, presidenta? Quando essa distribuição vai começar?

Presidenta: Começa a partir de hoje, Luciano, a distribuição gratuita dos remédios para o tratamento da asma na rede Aqui tem Farmácia Popular. Então, uma mãe, com a receita, pode comparecer a uma das farmácias dessa rede Aqui tem Farmácia Popular e adquirir gratuitamente o remédio para tratamento da asma do seu filho ou filha. Como você sabe, Luciano, o Ministério da Saúde observou que a asma é a segunda principal causa de internação de crianças de até cinco anos no Sistema Único de Saúde. Sabe, Luciano, o uso correto dos remédios pode diminuir muito as complicações da doença, a necessidade de internação e até mesmo a mortalidade dessas crianças.

Apresentador: Cuidar da saúde também é muito importante para o desenvolvimento das crianças, não é, presidenta?

Presidenta: É isso aí, Luciano. Cuidar da saúde eu te diria que é fundamental, por isso nós vamos ampliar a prevenção e o tratamento de doenças que afetam nossas crianças. Uma dessas ações, que vai começar agora, vai ser a distribuição de vitamina A durante as campanhas nacionais de vacinação. Também vamos garantir o suplemento de ferro nas Unidades Básicas de Saúde para quem tiver indicação médica. A falta de ferro e de vitamina A, Luciano, é muito preocupante porque pode causar anemia e aumentar o risco de infecções, prejudicando o desenvolvimento por toda a vida. Por isso, vamos tornar disponíveis tanto a vitamina A quanto o suplemento de ferro.

Apresentador: O Brasil Carinhoso também vai cuidar da educação dessas crianças, presidenta?

Presidenta: Ah, vai sim, Luciano. A educação é o grande caminho para tirar as pessoas definitivamente da pobreza, por isso nós estamos investindo nas creches. Porque as crianças, Luciano, desde bebês, precisam ser estimuladas através de brincadeiras, ter contato com jogos, com as cores, com as músicas, escutar histórias, elas precisam de estímulos, Luciano, para se desenvolver e para se transformar em adultos criativos e capazes.

Apresentador: Como o governo vai fazer para garantir que as crianças tenham acesso às creches, presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, nós estamos aumentando o número de vagas e estamos melhorando a qualidade do atendimento de nossas creches. Nós vamos repassar para as prefeituras, de forma imediata, os recursos do governo federal para custear cada nova vaga aberta nas creches públicas ou nas conveniadas, que podem ser creches particulares ou comunitárias. A segunda novidade é que nós vamos estimular a matrícula de crianças do Bolsa Família nas creches de todo o país. Para cada criança do Bolsa Família matriculada, o município vai receber 50% a mais do valor que já é repassado pelo governo federal. Com esse dinheiro extra, a creche vai poder comprar mais brinquedos pedagógicos, fraldas ou até mesmo fazer pequenas reformas para tornar o ambiente mais aconchegante. Com o Brasil Carinhoso, Luciano, nós também vamos aumentar em quase 70% o valor que o governo federal repassa aos municípios para reforçar a alimentação nessas creches. Com o Brasil Carinhoso, as mães vão poder criar seus filhos com mais tranquilidade e com mais esperança, vão poder, Luciano, dar a eles um futuro melhor.

Apresentador: Presidenta, é uma pena, mas o nosso tempo chegou ao fim. Eu agradeço à senhora por mais esse Café.

Presidenta: Obrigada pela companhia, Luciano. E uma ótima semana para você e para todos os nossos ouvintes.

Apresentador: Você que nos ouve pode acessar esse programa na internet, o endereço é www.cafe.ebc.com.br. Nós voltamos na próxima segunda-feira, até lá!


Edição especial para o Nordeste e para o Norte de Minas


Apresentador: Olá, você, em todo o Brasil, eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um Café com a Presidenta Dilma. Bom dia, presidenta!

Presidenta: Bom dia, Luciano! E bom dia a você, ouvinte, que nos acompanha aqui no Café.

Apresentador: Presidenta, hoje, eu queria conversar com a senhora sobre a seca que atinge principalmente o Nordeste.

Presidenta: Luciano, a seca no Nordeste é uma grande preocupação, porque a região do semiárido, que também inclui o norte de Minas, está enfrentando uma das piores estiagens das últimas décadas. Mas nós estamos agindo fortemente no Nordeste, Luciano. Estamos investindo R$ 2,7 bilhões em ações emergenciais para oferecer água, garantir a renda e dar crédito a quem precisa. É importante dizer, Luciano, que o Nordeste de hoje está muito melhor preparado para enfrentar essa seca do que esteve no passado. Sabe por que, Luciano? Porque, nos últimos anos, a região recebeu grandes investimentos e muitas obras do governo federal e, também, do setor privado. Mas é muito importante destacar o papel da rede de proteção social construída nos últimos anos. O Bolsa Família e a valorização do salário mínimo, por exemplo, garantiram uma grande melhoria de renda na região, protegendo as famílias mais pobres. Fizeram também a economia da região crescer muito, bem mais do que a média nacional.

Apresentador: Na seca, presidenta, o primeiro problema a ser enfrentado é sempre a falta d’água para consumo das famílias...

Presidenta: É sim, Luciano. Por isso, o meu governo já contratou 3.360 caminhões-pipa, que estão ajudando os estados e as prefeituras a distribuir água nos municípios atingidos pela estiagem. Mas nós, Luciano, queremos que essa água tenha qualidade e que chegue a todos que precisam. Então, a partir deste mês, os caminhões-pipa que estão lá naquela região terão um GPS para mostrar quantas viagens foram feitas, onde a água foi coletada e para onde ela foi levada. Dessa forma, é possível fiscalizar não só a qualidade da água, mas se quem precisa é quem está recebendo.

Apresentador: A construção de cisternas também ajuda a diminuir os efeitos da seca, não é, presidenta?

Presidenta: Ah, Luciano, ajuda sim. Com as cisternas, melhora muito a vida das pessoas, que podem armazenar a água da chuva e, numa estiagem prolongada como essa de agora, receber e estocar a água do caminhão-pipa. Sabe, Luciano, desde o governo Lula nós já estávamos construindo cisternas por todo o Nordeste, isto muito antes da seca chegar, porque esta é uma obra que ajuda o sertanejo a conviver melhor com os períodos, mesmo curtos, de estiagem. O meu governo já entregou 111 mil cisternas. Até o final do ano, serão mais 200 mil em todo o semiárido.

Apresentador: A senhora falou também que o governo está garantindo a renda dos produtores rurais, presidenta!

Presidenta: Agora no dia 18, nós vamos começar a pagar o Bolsa Estiagem para os pequenos produtores que foram afetados pela seca na Bahia, em Pernambuco, no Piauí, em Sergipe e no norte de Minas. Nos outros estados do semiárido, o pagamento começa em julho. O Bolsa Estiagem será pago em cinco parcelas de R$ 80,00 para 400 mil pequenos produtores rurais que estão no Cadastro Único dos programas sociais do governo. Sabe, Luciano, pagar um benefício diretamente à população nos dá a certeza de que o dinheiro está chegando exatamente no bolso de quem precisa! Outro benefício, Luciano, que nós também vamos pagar a partir deste mês é o Garantia-Safra. Serão cinco parcelas de R$ 136,00 para aqueles produtores que fizeram o Seguro Agrícola e perderam a produção, ou nem conseguiram plantar por causa da seca.

Apresentador: Esse mês então, o cartão Bolsa Família vem com novidade?

Presidenta: Olha, Luciano, vamos começar a pagar o benefício do Brasil Carinhoso, que, no Nordeste, vai chegar a beneficiar 1,3 milhão de famílias extremamente pobres, que têm filhos de zero a seis anos. Para essas famílias, Luciano, nós vamos garantir uma renda de, no mínimo, R$ 70,00 por pessoa, a partir de 18 de junho.

Apresentador: E o crédito, presidenta, como vai ajudar o Nordeste a enfrentar a estiagem?

Presidenta: Olha, Luciano, o crédito vai ajudar a proteger toda a economia da região. Nós liberamos R$ 1 bilhão, que vão financiar os agricultores familiares, os criadores de gado e de cabras, mas também a indústria e o comércio de cada uma das cidades afetadas pela estiagem. Vamos injetar mais dinheiro na região para manter a roda da economia girando.

Apresentador: As obras que o governo está fazendo no Nordeste também ajudam a garantir o emprego na região?

Presidenta: Garantem sim, Luciano! O governo federal tem investido em refinarias, em portos, estradas, escolas técnicas, universidades por todo o Nordeste. Já para enfrentar, de forma definitiva, o problema da água, estamos fazendo importantes obras como a integração do Rio São Francisco, o Eixão das Águas, no Ceará, o canal do Sertão alagoano, a adutora do algodão, na Bahia, e adutora do Pajeú, em Pernambuco – essas obras vão ajudar a manter e a gerar novos empregos, garantindo a renda da população. O meu governo não vai permitir, Luciano, que as conquistas acumuladas pelo povo nordestino se percam por conta dessa seca.

Apresentador: Presidenta, é uma pena, mas o nosso tempo chegou ao fim. Obrigado por mais esse Café!

Presidenta: eu é que agradeço a sua companhia, de todos os nossos ouvintes aqui no Café. Até a semana que vem, Luciano!

Apresentador: Você que nos ouve pode acessar este programa na internet, o endereço é www.cafe.ebc.com.br. Nós voltamos na próxima segunda-feira, até lá!